COVID E TONTURA - QUAL É A RELAÇÃO?


O que faz as pessoas se sentirem “tontos?”

Quando as pessoas relatam sentir tonturas, isso pode significar várias coisas diferentes. “Tontura” é um termo que descreve vários tipos amplos de sintomas:


Vertigem - uma falsa sensação de movimento, especialmente de girar, girar ou perder o equilíbrio

Tontura - às vezes referida como "pré-síncope" (síncope significa desmaio), é uma sensação de estar prestes a desmaiar

Desequilíbrio - esta é uma sensação de instabilidade ou desequilíbrio que é provocada por ilusões visuais ou outras disfunções no sistema visual dos olhos e do cérebro, e

Tontura psicológica - uma variedade de sintomas causados ​​por ansiedade ou outros distúrbios psicológicos, muitas vezes descritos como uma sensação de flutuar, balançar para frente e para trás ou ser removido do corpo.


Todos os tipos de tontura são uma grande preocupação, pois podem causar quedas e outros acidentes. Pessoas que sentem tonturas repentinas enquanto dirigem podem perder o controle do veículo e causar um acidente com o veículo.


Além do risco significativo de segurança, a tontura foi associada a sintomas depressivos, piora da saúde auto-relatada e redução do bem-estar geral.


O COVID-19 faz com que as pessoas se sintam tontas?

Os primeiros dois tipos de tontura - vertigem e tonturas - foram associados à infecção por COVID-19. O vírus que causa o COVID-19 (o vírus da “síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2” ou “SARS-CoV-2”) pode causar tontura de várias maneiras, algumas das quais ainda não totalmente compreendidas. COVID-19 atingiu a humanidade com força e rapidez, e ainda apresenta muitas perguntas sem resposta para a ciência médica.


Pessoas que já são propensas a quedas - como idosos - podem ser especialmente suscetíveis a sofrer lesões por tontura. Infelizmente, esta é a mesma população que é mais suscetível a apresentar sintomas moderados a graves quando infectada com COVID-19.


Vejamos cada um desses dois tipos de tontura e como eles estão relacionados ao COVID-19.


Vertigo e COVID-19

A vertigem foi recentemente identificada como um sintoma de COVID-19. Na verdade, cerca de 2% das pessoas que foram infectadas com SARS-CoV-2 terão vertigem como primeiro sintoma.


A vertigem é um sintoma perturbador e até perigoso. Embora a vertigem em si seja uma sensação de girar, balançar e perder o equilíbrio, geralmente também é acompanhada por náuseas e vômitos, distúrbios visuais e suor. Os sintomas associados podem ser graves. As tonturas, náuseas, vômitos e suor geralmente aparecem de repente - como se do nada - e podem fazer com que as pessoas caiam ou percam a capacidade de controlar o veículo se estiverem dirigindo.


As crises de vertigem podem ir e vir, durando de segundos a horas, ou podem ser constantes, durando dias ou semanas. A vertigem pode ser debilitante. As pessoas costumam ficar tão desequilibradas que nem conseguem ficar em pé ou andar. Até deitar na cama com vertigem é desconfortável, pois o mundo parece estar girando. Frequentemente, eles são incapazes de ler ou mesmo assistir TV em muitos casos por causa da sensação de turbilhão e dos distúrbios visuais. Além disso, as náuseas e os vômitos podem ser intensos, piorando a experiência.


A vertigem pode ser causada por qualquer coisa que afete os mecanismos do corpo para manter nosso senso de equilíbrio. COVID-19 pode causar vertigem ao interromper os circuitos de equilíbrio no cérebro e no ouvido interno.


A vertigem causada pela interrupção dos circuitos de equilíbrio do cérebro é conhecida como “vertigem central”, porque envolve o cérebro, que faz parte do sistema nervoso central. Os circuitos cerebrais envolvidos em nosso senso de equilíbrio estão principalmente no tronco cerebral e no cerebelo.


O COVID-19, como muitos outros vírus, é conhecido por ser “neuroinvasivo”, o que significa que é capaz de entrar no cérebro e causar doenças. A literatura científica documentou que cerca de 36% das pessoas com COVID-19 desenvolvem sintomas neurológicos devido aos efeitos do vírus SARS-CoV-2 no cérebro.


Foi descoberto que o vírus SARS-CoV-2 - que causa COVID-19 - causa edema cerebral, degeneração parcial das células cerebrais e inflamação cerebral (“encefalite”). Parece que isso ocorre principalmente por meio da ativação do sistema imunológico, que produz substâncias químicas (“citocinas”) que podem ser tóxicas para o cérebro.


Além desses mecanismos de lesão cerebral, o vírus também pode causar um derrame. Isso pode ocorrer devido ao fornecimento inadequado de oxigênio ao cérebro devido à função pulmonar prejudicada. Da mesma forma, COVID-19 é conhecido por causar um aumento na coagulação do sangue, o que pode resultar em coágulos sanguíneos viajando na corrente sanguínea e bloqueando a circulação do cérebro. Dessa forma, o COVID-19 torna os pacientes infectados suscetíveis a derrame, mesmo que o vírus não chegue ao cérebro.


Se algum desses mecanismos de lesão cerebral ocorrer nas áreas responsáveis ​​pelo senso de equilíbrio, pode ocorrer vertigem. Da mesma forma, quando COVID-19 afeta o cérebro, outros sintomas podem estar presentes, como dor de cabeça, confusão, distúrbios visuais e olfato prejudicado.


Além da vertigem central - causada por disfunção cerebral - a vertigem também pode ser causada por problemas de ouvido interno; nesse caso, é conhecido como "vertigem periférica". O ouvido interno contém o aparelho vestibular, que é uma estrutura anatômica que detecta se estamos ou não nos movendo ou inclinados. Qualquer coisa que perturbe o aparelho vestibular pode causar vertigem, levando o cérebro a pensar que estamos desequilibrados ou em movimento.


COVID-19 pode induzir vertigem periférica, causando inflamação do nervo vestibular (“neurite vestibular”), inflamação do próprio aparelho vestibular (“labirintite”) ou causando inflamação do ouvido médio próximo (“otite média”).


A natureza específica dos sintomas de vertigem - como a duração dos episódios de vertigem, se a vertigem é contínua ou não e a gravidade da vertigem - dependem de qual parte do sistema de equilíbrio é afetada. Por exemplo, a vertigem central pode produzir sintomas diferentes dos da labirintite ou neurite vestibular. Isso ajuda médicos e fisioterapeutas a avaliar onde está a causa da tontura e a melhor forma de tratá-la.


Tontura e COVID-19

Assim como acontece com a vertigem, as pessoas que apresentam tontura - a sensação de estar prestes a desmaiar - geralmente descrevem o sintoma como tontura ou tontura.


A tontura é causada por um suprimento inadequado de oxigênio para o cérebro. Geralmente se resolve rapidamente assim que o cérebro recebe oxigênio suficiente novamente, mas desmaios, coma e até a morte podem ocorrer se o suprimento de oxigênio adequado não for restaurado imediatamente.


A ingestão e circulação inadequadas de oxigênio são uma manifestação comum de COVID-19 grave. Pessoas com casos graves de COVID-19 podem necessitar de um sistema de suporte respiratório (intubação e ventilação) em uma UTI até se recuperarem da infecção.


COVID-19 pode causar tontura de várias maneiras:


Função pulmonar inadequada - COVID-19 causa pneumonia (inflamação dos pulmões), que pode causar comprometimento sério da função pulmonar. Da mesma forma, COVID-19 pode fazer com que a parte do cérebro que controla a respiração funcione mal, fazendo com que o corpo pare de tentar respirar

Problemas cardíacos - mesmo que os pulmões e a respiração funcionem corretamente, a circulação inadequada devido a problemas cardíacos pode resultar na chegada de sangue oxigenado inadequado ao cérebro. COVID-19 foi associado a vários problemas cardíacos que podem afetar significativamente a circulação:Ataque cardíaco ou angina (isquemia miocárdica),Inflamação do coração (miocardite), e Batimento cardíaco irregular (arritmia)

Coágulos sanguíneos - COVID-19 é conhecido por causar coagulação excessiva do sangue (“hipercoagulabilidade”). Isso pode resultar em coágulos sanguíneos que viajam na corrente sanguínea ("tromboembolismo") e causam lesões nos pulmões, coração ou cérebro, e Pressão arterial baixa (“hipotensão”) - COVID-19 tem sido associada a quedas repentinas e extremas da pressão arterial que podem causar problemas na circulação e oxigenação dos tecidos vitais do corpo, incluindo o cérebro.

Tontura (pré-síncope) e / ou desmaio (síncope) foram relatados como ocorrendo em cerca de 3% dos casos de COVID-19. A maioria dos casos é de pessoas mais velhas (a idade média em um estudo era de 69 anos) e pessoas com outros problemas de saúde, especialmente doenças cardíacas, diabetes e hipertensão.


COVID-19 Tonturas e vertigens

Dos dois tipos de sintomas de tontura associados ao COVID-19 - vertigem e tontura - a vertigem é geralmente o mais problemático e grave. A tontura geralmente é transitória e desaparece assim que o suprimento de oxigênio é restaurado; frequentemente, até deitar e elevar os pés (a posição de “Trendelenburg”) é tudo o que é necessário.


A vertigem, entretanto, tende a ser muito mais duradoura e difícil de tratar. Ao contrário da tontura, a causa da vertigem tontura costuma ser difícil de descobrir e de tratar. Neste ponto, não está claro por quanto tempo os sintomas de tontura continuarão em pessoas que desenvolvem vertigem associada a COID-19, simplesmente porque não temos dados de longo prazo suficientes disponíveis. Algumas causas de vertigem estão associadas à tontura crônica, mas ainda não sabemos se isso ocorre com COVID-19.


Tratando Tonturas Vertiginosas

Infelizmente, a tontura causada pela vertigem é difícil de tratar e não existem medicamentos muito eficazes no alívio da terrível tontura. Os medicamentos são usados ​​para tentar reduzir o inchaço no ouvido interno ou no cérebro (como esteroides, diuréticos e anti-histamínicos) e para tratar náuseas. Infelizmente, muitos desses medicamentos são muito sedativos e não proporcionam muito alívio da tontura.


Aparentemente, tratar o COVID-19 e permitir que o corpo se cure dos efeitos do vírus provavelmente resultará na resolução da vertigem, mas ainda não sabemos ao certo o que esperar.


Um tipo de terapia física conhecido como “reabilitação vestibular” oferece uma abordagem não medicamentosa para aliviar a tontura da vertigem. Alguns casos de tontura por vertigem podem não melhorar, a menos que o indivíduo seja tratado com exercícios específicos e fisioterapia para sua tontura e equilíbrio.


Os fisioterapeutas são treinados para avaliar os sintomas de tontura de cada paciente, a fim de personalizar a abordagem de tratamento ideal para o tipo específico de vertigem daquele indivíduo. Isso é importante porque diferentes tipos de vertigem respondem a diferentes tipos de tratamento. É por isso que a experiência no tratamento da vertigem é importante ao selecionar um fisioterapeuta.


Os exercícios de reabilitação vestibular podem incluir exercícios de caminhada, exercícios para a cabeça e os olhos e exercícios de equilíbrio. Da mesma forma, os fisioterapeutas podem fornecer educação sobre os aspectos específicos da tontura e informações importantes sobre segurança.


Com a reabilitação vestibular, o fisioterapeuta consegue atingir diversos objetivos específicos para melhorar a vertigem, tontura e estabilizar o equilíbrio e a marcha. Isso envolve o uso de vários princípios terapêuticos que são bem conhecidos por melhorar o controle postural e o equilíbrio:


Adaptação - envolve o treinamento de indivíduos com sintomas de tontura para superar a falsa percepção de movimento devido a sinais errôneos dos ouvidos internos para os olhos, para o cérebro, coluna e pés.

Habituação - é onde os fisioterapeutas introduzem movimentos repetitivos que têm como objetivo acostumar o cérebro a se mover adequadamente, apesar da vertigem. Com a repetição, o cérebro se acostuma (se habitua a) a vertigem e começa a ignorar os sinais falsos do sistema de equilíbrio

Substituição sensorial - envolve o fortalecimento de outros sentidos, especificamente a visão e o sentido do tato (“propriocepção”), a fim de compensar o sentido de equilíbrio prejudicado.


Uma revisão sistemática publicada recentemente na literatura de pesquisa mostrou que a reabilitação vestibular baseada em exercícios fornece melhorias significativas nos sintomas de vertigem, equilíbrio e efeitos emocionais de lidar com a tontura, bem como reduzir o risco de quedas por tontura.


Tratamento para tonturas na Fisio Força

Os Centros de Terapia e Equilíbrio Fisio Força fornecem fisioterapia especializada para uma ampla variedade de condições musculoesqueléticas, neurológicas e do ouvido interno que causam tontura e falta de equilíbrio, incluindo vertigem.


O programa de tratamento de tontura da Fisio Força usa protocolos de tratamento e recuperação que incluem equipamentos especializados de ponta que não estão disponíveis em outros centros de fisioterapia. Isso faz dos fisioterapeutas especializados uma excelente opção para quem busca alívio de qualquer tipo de tontura.


A equipe de fisioterapia Fisio Força concentra-se no fortalecimento do sistema vestibular prejudicado e no engajamento da “neuroplasticidade” - a capacidade do cérebro de aprender novos movimentos e comportamentos - para otimizar outros sentidos (como visão e tato) para compensar a incapacidade do cérebro ou do ouvido interno para manter um senso de equilíbrio adequado. Isso otimiza a adaptação, a habituação e a substituição sensorial para ajudar os pacientes com tonturas a se levantarem e a funcionar novamente.


A Fisio Força oferece avaliações de baixo custo para diagnosticar tonturas e determinar o risco de queda de cada indivíduo. Os fisioterapeutas da Fisio Força criarão um programa de recuperação adaptado às necessidades e condições específicas de cada paciente.


Agende hoje mesmo seu atendimento clicando abaixo:

WhatsApp

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes